terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Plano de Acção 2014

A União Artística Vilarealense – Socorros Mútuos (UAV), fundada em 1910 como Associação Mutualista, de Cultura, Recreio e Desporto, caracterizou-se ao longo da sua existência, também pelo seu papel interventivo nas relações de solidariedade entre todos os associados, e com a sociedade civil em particular.
A sua acção Social prosseguiu no tempo, e urge adequar-se á realidade, na dimensão das necessidades sentidas pelos cidadãos mais vulneráveis, nomeadamente, para responder às necessidades sentidas pelos associados com mais anos de filiação (por isso também de maior idade). As parcerias e contactos com a Segurança Social são cruciais para o registo e efectivação das novas valências, nomeadamente o Centro Comunitário, a Cantina Social, a Lavandaria Social e o Serviço de Assistência Domiciliária 24 Horas, a desenvolver no âmbito da reestruturação massiva do edifício-sede. 
A acção Mutualista será reforçada com a reactivação do antigo “Subsídio de Funeral”, em actividade entre 1912 e 1986. De uma forma pensada e estruturada do ponto de vista financeiro, irá permitir o seu auto-financiamento e acima de tudo, cumprir a vontade expressa pelos associados como mais uma ajuda para as suas famílias.
A sua acção Cultural tem sido sempre a mais marcante ao longo de toda a sua existência, não só pelo seu papel recreativo incontornável, em prol do desenvolvimento da cultura, e do desenvolvimento de cada indivíduo, mas sobretudo, na aposta assumida de associar os valores promotores da cultura com um modelo cultural inclusivo, sem quaisquer barreiras (sociais, geracionais ou outras), mantendo o cunho e o legado das iniciativas realizadas. O modelo do festival de bandas rock de Vila Real, iniciado na década de 90, e retomado em 2013, com a realização do “1.º Sardinhas Open Air” no dia de São João, resultou em pleno no que diz respeito à promoção das bandas de Vila Real intervenientes (catapultando inclusive duas delas para os palcos nacionais), e também, face ao “feedback” sentido por parte dos participantes, dos associados, comerciantes e moradores do centro histórico. Partindo da estruturação desta actividade a nível financeiro (com o objectivo de que a sua realização seja auto sustentável), em conjunto com a Câmara Municipal de Vila Real (CMVR), e com o apoio da Associação Académica da Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro, das Associações de Estudantes das Escolas Secundárias e das Escolas Profissionais do Concelho, será possível limar arestas, aprimorar e orientar o festival para um ainda maior impacto na divulgação da música e das bandas de Vila Real, assumindo se possível o seu nome original: Rock Nordeste.
A necessidade da manutenção e do reforço do papel da UAV é evidente para nós, face às necessidades crescentes sentidas pelas pessoas, nos seus problemas do dia-a-dia; soluções que apenas podem encontrar nas respostas da actividade organizada pela própria sociedade civil. Os tempos que atravessamos, particularmente duros, devem potenciar soluções criativas e é cada vez mais clara a necessidade de respostas sociais com qualidade e dignidade para todos; um modelo que já defendemos há muito tempo, e que agora é defendido também a nível Europeu com a defesa do conceito de “Empresa Social”, um modelo que a UAV conhece bastante bem pois foi esse o pressuposto da sua criação e mote de funcionamento em mais de metade da sua centenária existência.
O recente diploma, publicado em Diário da Republica, sobre o estatuto do Dirigente Associativo consagra algumas (poucas) regalias mas, sobretudo estipula deveres e obrigações. Conscientes da importância da informação atempada sobre os vários considerandos (legais, apoios e projectos) ao serviço das diferentes Colectividades, Associações e Clubes, e aproveitando a presença da UAV na Mesa Nacional da Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto, (CPCCRD), é nossa intenção realizar um Encontro Associativo de Vila Real, em conjunto com a CMVR, e com o apoio da CPCCRD, onde para além da reunião entre os responsáveis das diferentes Associações do Concelho para partilha de informações, será dada a possibilidade de ficarem a par das exigências a que agora todos estão sujeitos e, esclarecer outras situações pouco claras no Movimento Associativo, de modo a potenciar essa informação como uma vantagem no funcionamento e planeamento futuro, contando para tal, com a presença e o conhecimento do Vice-presidente da CPCCRD, Dr. Bessa de Carvalho.
Quanto a projectos mais trabalhosos definimos a reconstrução do telhado, uma obra em si já adiada há mais de 20 anos, e que é agora obrigatória, implicando também uma recolha de fundos extra, via marketing e outras actividades a desenvolver para fazer face a esta previsível despesa.
Este plano de actividades á semelhança dos anteriores procura estabelecer linhas orientadoras para a continuação das acções em curso, para o seu alargamento e desenvolvimento, sem esquecer as devidas garantias de estabilidade do ponto de vista da organização interna e sustentabilidade da UAV.
Todas as actividades a realizar serão levadas a cabo com total economia de meios e será indispensável a participação e o empenho, cada vez mais alargado, de todos os Dirigentes, Associados e Amigos, e sobretudo a adequada valorização por parte das Entidades Oficiais e Instituições parceiras, que continuam a ser fundamentais para a sua realização.
Á semelhança dos anos anteriores será dada prioridade ao trabalho desenvolvido em articulação, intercâmbio e parceria com várias entidades locais e nacionais, de entre as quais destacamos pela sua importância, a CMVR; a União de Freguesias de Nossa Senhora da Conceição, São Pedro e São Dinis; a CPCCRD; o Centro Regional de Segurança Social de Vila Real; a Universidade de Trás-Os-Montes e Alto-Douro; a Rede de Unidades de Cuidados Continuados e a Rede Social de Vila Real.

Mantêm-se ainda as parcerias com a Imperialis Serenatum Tunix - Tuna masculina da Utad (desde 1997 na UAV), os três Grupos de Narcóticos Anónimos (desde 1992 na UAV) e o Grupo de Amigos Colecionadores de Vila Real (desde Junho de 2013 na UAV).  
Importa assim, manter e reforçar a UAV como uma Instituição sempre aberta a acolher a iniciativa individual para apresentação de trabalhos ou outras iniciativas culturais, assim como para receber novas parcerias, que permitam igualmente diversificar a sua actividade e aumentar a sua regularidade. A constituição de mais parcerias, formais ou informais, continua assim, a definir a linha de trabalho a seguir.

É nossa convicção que deste modo podemos continuar a conferir à nossa União Artística Vilarealense enorme riqueza e diversidade, honrando o seu legado.

Vila Real, 20 de Janeiro de 2014
A Direcção

Quotização 2018

O pagamento da quotização é um dever estatutário dos associados, tendo sido definido o seu valor em Assembleia Geral para o corrente ano em...